ericsson.com
Your location is listed as Global
Login

Estudo da Ericsson revela: brasileiros passam 36% do tempo assistindo a conteúdo de TV e vídeo sob demanda

  • Estudo mostra a popularização do vídeo sob demanda no mundo
  • Consumo de vídeo pelo smartphone cresce 71% em três anos
  • Conteúdos produzidos por usuários também estão em ascensão: uma em cada 10 pessoas assiste ao YouTube por mais de três horas por dia

Press release  |  set 03, 2015 | 07:00 (GMT +00:00)

Available in English Español (Latinoamérica) Português (Brasil)

A nova edição anual do estudo TV & Media – produzido pelo ConsumerLab, área da Ericsson (NASDAQ: ERIC) que há 20 anos estuda o comportamento dos usuários –, lançada hoje globalmente, apresenta os pontos de vista e hábitos de 680 milhões de consumidores e mostra que os serviços de vídeo sob demanda estão atendendo as necessidades dos espectadores atuais.

O formato de transmissão sob demanda fez com que os consumidores mudassem seus hábitos de consumo de vídeo. Os usuários agora passam seis horas por semana assistindo à transmissão de TV, séries, programas e filmes sob demanda – o dobro do registrado em 2011. Porém, quando os conteúdos gravados ou baixados são adicionados a essa conta, a porcentagem chega a 35% no mundo. No Brasil, a porcentagem é bem próxima da mundial: os entrevistados brasileiros passam 36% do tempo diário destinado ao consumo de vídeos, assistindo a conteúdos sob demanda.

Outros resultados levantados pelo estudo destacam o crescimento do consumo de vídeo em dispositivos móveis. Hoje, 61% dos entrevistados usam seus smartphones para esse tipo de conteúdo – um aumento de 71% desde 2012. Os adolescentes são a faixa etária que mais representa essa tendência: dois terços do tempo que os adolescentes passam assistindo TV e vídeos são gastos em tablets, notebooks e smartphones.

As plataformas de conteúdos gerados pelos próprios usuários (da sigla em inglês, UGC) também cresceram. Aproximadamente um em cada 10 consumidores assiste ao YouTube por mais de três horas por dia, e um em cada três agora considera muito importante poder assistir esse tipo de vídeo em sua própria TV. Além disso, o estudo constata que a crescente importância dessas plataformas, como o YouTube, resultou em um aumento da popularidade de vídeos educativos e instrutivos, que atingiram uma média de 73 minutos de visualização por semana.

Júlia Casagrande, gerente de Marketing da Ericsson na América Latina, ConsumerLab da Ericsson, diz: “O crescimento contínuo de transmissão de vídeo sob demanda e dos serviços UGC reflete a importância de três fatores específicos para os telespectadores de hoje: bom conteúdo, flexibilidade e uma boa experiência. Modelos de negócios inovadores que suportam essas três áreas são hoje fundamentais para a criação de ofertas de TV e vídeo que sejam relevantes e atraentes para os consumidores.”

A nova edição do relatório TV e Vídeo também destaca as seguintes conclusões:

A compulsão está mudando o jogo: Assistir a vários episódios de uma série ou um programa em sequência tornou-se rapidamente parte fundamental da experiência de TV e vídeo. Esse hábito se destaca entre usuários de plataformas de assinatura de vídeos sob demanda (da sigla em inglês, S-VOD), como Netflix, Amazon Prime e HBO. De acordo com o estudo, 87% dos usuários entrevistados assistem a vários episódios em sequência pelo menos uma vez por semana.

A dificuldade de encontrar conteúdo: 66% dos consumidores brasileiros não conseguem encontrar nada para assistir na programação diária da sua TV tradicional. Essa sensação de descontentamento, segundo o relatório, é uma das causas apontadas para o crescimento do consumo de vídeos sob demanda.

Diferentes pacotes, diferentes atitudes: 22% dos consumidores que nunca tiveram uma assinatura de TV paga já estão pagando por serviços de conteúdo over-the-top (OTT) – ou seja, pela internet.

TV tradicional ainda é importante: A popularidade da TV tradicional continua alta, principalmente devido ao acesso que ela dá para a visualização de conteúdo premium e ao vivo, como esportes, além de seu valor social.

Sobre este relatório

Desenvolvido com base em entrevistas com mais de 22.500 pessoas, as conclusões do Ericsson ConsumerLab TV & Media Report 2015 representam 680 milhões de consumidores, tornando-o o maior estudo deste tipo na indústria da TV. Com base em dados de apoio, medições em dispositivos e pesquisa qualitativa, o relatório detalha os comportamentos, as atitudes e as exigências mais recentes dos consumidores em relação à televisão e aos meios de comunicação, bem como o impacto potencial que essas tendências podem ter sobre os modelos de negócios atuais da indústria.

As entrevistas foram realizadas com consumidores com idades entre 16 e 69 anos, em 20 mercados: Brasil, Canadá, China, Colômbia, França, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, México, Portugal, Rússia, Espanha, Coreia do Sul, Suécia, Taiwan, Turquia, Reino Unido, Ucrânia e EUA. Todos os entrevistados possuem uma conexão de internet de banda larga em casa e assistem a TV e vídeo pelo menos uma vez por semana. Quase todos usam a internet diariamente.

NOTAS AOS EDITORES

Se inscreva para receber todos os press releases da Ericsson aqui.

SIGA-NOS:

www.ericsson.com
www.twitter.com/ericssonbr
www.facebook.com/ericssonbr
www.youtube.com/EricssonBrazil
www.slideshare.net/EricssonLatinAmerica
www.flickr.com/photos/EricssonLatinAmerica/

MAIS INFORMAÇÕES EM:

Centro de Notícias

Luciana Leite, Comunicação Corporativa Ericsson - LATAM South
Fone: +55 11 2224-2018/ +55 11 94380-9382/ +55 11 99149-4950
E-mail: luciana.leite@ericsson.com

SOBRE A ERICSSON:

A Ericsson permite que os provedores de serviços de comunicações obtenham todo o potencial da conectividade. O portfólio da empresa abrange redes, serviços digitais, serviços gerenciados, negócios emergentes e é projetado para ajudar nossos clientes na digitalização, aumentando a eficiência e encontrando novos fluxos de receita. Os investimentos da Ericsson na inovação promovem os benefícios da telefonia e da banda larga móvel para bilhões de pessoas ao redor do mundo. A ação da Ericsson está registrada na bolsa de valores Nasdaq em Estocolmo e na NASDAQ em Nova York. www.ericsson.com

Na América Latina estamos presentes desde 1896, quando entregamos equipamentos pela primeira vez na Colômbia. No início do século XX aumentamos nossa presença na região ao firmar acordos na Argentina, Brasil e México. Hoje, estamos presentes em mais de 50 países da América do Sul, América Central, México e Caribe, com instalações completas, como unidade de Produção e Centro de Inovação com atividades de pesquisa e desenvolvimento (P&D), além de Centro de Treinamento. A Ericsson é a fornecedora líder do setor de telecomunicações com mais de 40% do mercado na América Latina e mais de 100 contratos de serviços de telecomunicações na região.